Tecnologia no departamento tributário

Tecnologia no departamento tributário

Compartilhe:

A complexidade da área fiscal brasileira faz com que as empresas invistam constantemente em recursos tecnológicos, que otimizam essa atividade e proporcionam agilidade no departamento tributário. 

No primeiro trimestre de 2020, a Doing Business realizou uma pesquisa para analisar a burocracia no pagamento de impostos e mostrou que, no Brasil, são gastos mais de 1.500 horas na preparação e pagamento dos impostos. 

Lorem Ipsum

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry’s.

Tal dado enfatiza a dificuldade de realizar essa tarefa e a necessidade de utilizar métodos e recursos que viabilize a rotina dos profissionais e empresa. 

Sem dúvidas, a tecnologia vem como aliada do departamento tributário, especialmente por promover modernização aos processos. 

Hoje, há inúmeros recursos e ferramentas que viabilizam essa modernização, como sistemas de gestão, inteligência artificial e automação. Por isso, neste artigo vamos abordar como a tecnologia auxilia a área fiscal e tributária nas empresas. 

Evolução tecnológica na área fiscal brasileira

Mundialmente, o departamento tributário passa por atualizações e ganha inovação. No Brasil, essa modernização também acontece. 

Em 2007, iniciou a implementação do SPED Fiscal (Sistema Público de Escrituração Fiscal), que trouxe importantes mudanças, especialmente em relação à entrega das informações. 

Assim, grandes empresas de tecnologia começaram a desenvolver equipamentos que agilizassem o recebimento das informações de maneira digital. Um exemplo disso é o T-Rex, um supercomputador desenvolvido pela IBM, que auxiliou a Receita Federal na popular – e temida –malha fina. 

Além disso, o centro Tecnológico da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em parceria com o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), desenvolveu o Harpia, um software que conecta as bases de dados do Fisco com a de outras entidades, como as secretarias municipais e estaduais de Fazenda. 

O Harpia foi desenvolvido em 2008, com a premissa de contribuir com o projeto da Receita Federal do Brasil (RFB), o qual tem a finalidade de combater a sonegação fiscal no país. 

Sendo assim, as informações das empresas são transmitidas online, por meio de processos digitais. Tal evolução proporcionou que o Fisco integrasse e compasse dados tributários informados aos órgãos: Ministério Público, Polícia Federal, Banco Central do Brasil e Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF). 

Por que investir no departamento tributário?

Além dos motivos óbvios, que são otimização e agilidade, investir em tecnologia no departamento tributário é essencial, para obter melhores resultados. E muitas empresas já perceberam isso. 

pesquisa realizada pela Deloitte, com diferentes empresas e segmentos, analisou o envolvimento das organizações com tecnologia.  

O estudo mostrou que mais de 70% dos participantes já automatizam as operações de emissão de notas fiscais, entrega de obrigações ao Sped Fiscal, e demais tarefas. 

Além disso, 50% das organizações pretendem adotar soluções voltadas aos processos tributários. Portanto, os gestores investem nas ferramentas como objetivo de melhorar o desempenho e reduzir erros.  

Vale ressaltar que o nível de investimento em automação fiscal e demais recursos para a área é proporcional ao grau de tecnologias já implantadas. O porte e potencial financeiro também influenciam. 

Além disso, as organizações que atribuem inovação no departamento tributário obtêm benefícios significativos, como: 

  • Modernização dos processos; 
  • Melhor organização dos dados; 
  • Facilidade na entrega das obrigatoriedades; 
  • Otimização do compliance tributário; 
  • Aperfeiçoamento do setor; 
  • Melhor aproveitamento dos profissionais. 

Esse levantamento apresenta vantagens adquiridas com a automação da área tributária. Entretanto, segundo a pesquisa “Tax do Amanhã”, promovida pela Deloitte, 25% das empresas ainda não automatizaram o processo de emissão de notas fiscais. 

Por isso, é importante fomentar cada vez mais a adoção de ferramentas capazes de melhorar a atuação do setor tributário. 

Tecnologias para o departamento tributário

Um fator essencial para a aquisição de recursos tecnológicos para o departamento tributário é a redução da força de trabalho com atividades manuais. Portanto, a transformação proporciona essa digitalização dos processos. 

Portanto, confira algumas tecnologias que são cruciais para a otimização do setor fiscal das empresas e que auxiliam os profissionais da área. 

Sistemas de machine learning

O machine learning é uma das ferramentas mais comuns da inteligência artificial. Então, aplicado ao setor fiscal tem a capacidade de integrar as informações rapidamente, corretamente, e melhorar o sistema de controle interno. 

Assim, ao alimentar o algoritmo de machine learning constantemente com os dados tributários da empresa, seu funcionamento melhora progressivamente. 

A automatização e tempo de uso desse recurso da inteligência artificial proporciona aumento da eficiência do departamento tributário. Aliás, melhora a tarefa de importação dos dados. Além disso, existem outros benefícios, que são: 

  • Cálculo de tributos e recolhimento automático; 
  • Identificação de tarefas que precisam de auditoria; 
  • Detecção de riscos tributários e trabalhistas. 

Data analytics

Bom, sabemos que o setor fiscal envia muitas informações ao SPED e seria impossível que todas elas fossem analisadas simultaneamente pelos profissionais. Por isso, que a tecnologia de data analytics é uma importante aliada. 

Ao aplicar inteligência para tabulação das informações enviadas é possível criar um método de análise, comparação e desenvolvimento de insights de melhoria e inovação. 

Desse modo, ao utilizar um data analytics os profissionais e as empresas ganham vantagens, como: 

  • Corroboram para um compliance fiscal; 
  • Mapear riscos e oportunidades; 
  • Avaliar atuação dos profissionais. 

Computação em nuvem 

Ainda conforme a pesquisa da Deloitte, 61% das empresas participantes têm planos para aderir a computação em nuvem em seus processos.  

Tal dado demonstra o interesse cada vez maior por essa tecnologia. Mas, como ela é aplicada no dia a dia? Nós vamos explicar! 

A computação em nuvem é aplicada por meio de um conjunto de equipamentos e softwares interligados pela internet e compartilhados entre os usuários do sistema, como o ERP. 

Assim, o departamento tributário e fiscal em nuvem utiliza os recursos de software e data centers, que viabilizam a coleta, segurança e tratamento dos dados. E quais os benefícios? São eles: 

  • Flexibilidade no acesso; 
  • Segurança dos dados; 
  • Economia; 
  • Atualização constante conforme legislação. 
ERP 

O ERP – Enterprise Resource Planning, em português conhecido como sistema de gestão empresarial, serve para automatizar processos e integrar setores da empresa.  

Por isso é essencial para a área fiscal, já que consegue se comunicar com a contabilidade, estoque, vendas e outros. 

Sendo assim, o ERP impacta no funcionamento perfeito desses diferentes setores, automatizando as tarefas, como lançamento de notas, entradas e saídas, e demais atividades.  

Além disso, para o departamento tributário atuar de maneira assertiva, ele precisa se basear nos dados gerados pela empresa.  

Assim, o primeiro passo é reunir as informações em um mesmo lugar e permitir o acesso simplificado. Essa é uma das principais funções do ERP. 

Portanto, o sistema ERP proporciona diferentes benefícios para as empresas e o próprio setor fiscal, como: 

  • Melhor controle e fluxo de caixa; 
  • Gestão assertiva; 
  • Melhor integração entre setores; 
  • Permite monitoramento de notas; 
  • Eleva a vantagem competitiva. 

São inúmeras as vantagens ao investir em tecnologia para o departamento tributário. Os profissionais da área ganham com isso, o setor melhora, a empresa obtém competitividade e até mesmo o cliente sente os benefícios. 

Leia também: Como reduzir o tempo de processar a “papelada” 

Lorem Ipsum

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry’s.

Artigos relacionados

Quais as prioridades de tecnologia para 2022, segundos CIOs?
Como um CHRO pode se tornar mais estratégico em 2022?
Gestão Ágil veio para ficar ou é uma tendência passageira?