Compliance: o que é e como aplicar na empresa

Compliance: o que é e como você pode aplicar na empresa

Compartilhe:

De maneira simples, compliance significa estar em conformidade com todas as regras. Ou seja, é uma prática que agrega às empresas a cultura de garantir o cumprimento das exigências legais instituídas pelo poder público, obviamente de acordo com os padrões de cada órgão. 

Dessa forma, o conceito está ligado a áreas importantes, como trabalhista, ambiental e socioeconômica.  

Lorem Ipsum

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry’s.

Então, ressaltamos a transparência fiscal, a qual tem sido duramente inspecionada por meio de órgãos e legislações que foram adaptadas ao sistema brasileiro. 

Vale lembrar que esse é um conceito que abrange os controles internos e externos da empresa, fazendo com que ocorra uma adaptação às regras.  

Dessa forma, tais adequações geram às organizações um processo saudável e plena conformidade. 

Um dos motivos que abriu os olhos das empresas brasileiras a respeito da compliance foi a corrupção.  

Nos últimos tempos, combater crimes fiscais é pauta fixa no Brasil. Por isso, ter boas práticas e conversar sobre o tema faz com que sua empresa fique longe do risco da não conformidade. 

Mas, o que compliance tem a ver com sua empresa?

No fim do século XX, o termo “Compliance” se difundiu em instituições bancária por conta de questões jurídicas e ficais.  

Porém, com a tecnologia ainda mais atrelada às atividades empresariais, a prática de complicance começou a ser de pleno conhecimento em todos os processos das organizações.  

Dessa forma, a conduta foi ampliada à gestão de pessoas, normas que colaboradores e presidência seguem. Veja alguns pontos: 

Obrigatoriedades Fiscais

Primeiramente, o sistema tributário brasileiro é bem complexo, pode haver modificações conforme municípios e estados, e merece bastante atenção, pois gera um esforço de monitoramento dessas leis. Tudo isso envolve tempo, pessoas e gestão. Portanto, é essencial que haja na empresa uma cultura organizacional e boas práticas. 

Mas, os gestores precisam aplicar o compliance efetivamente, ou seja, precisa ir além de conduzir um bom sistema de verificação e organização.  

É necessário checar a conformidade em relação ao setor atuante, políticas aplicáveis e ética da empresa. 

Boas práticas do compliance

A princípio, faz parte do cotidiano dos profissionais, pois está atrelado a pagamentos, fechamento da folha, envios ao eSocial, obrigatoriedades, entre outras atividades igualmente relevantes.  

E, caso não esteja em conformidade, é possível que o gestor sinta maior dificuldade em realizar tantas tarefas, já que não aplicar as boas práticas no dia a dia. 

Além disso, os colaboradores, de todas as áreas da empresa, precisam compreender como ocorre na prática. E, através de treinamentos individuais e em grupo, é possível internalizar essa cultura.  

A capacitação também é essencial. Portanto, investir em setores cruciais, como Recursos Humanos, é incentivar a compliance dentro da instituição. 

Atual, as frentes de compliance podem ser elencadas como: 

  • Anticorrupção; 
  • Avaliação de riscos internos; 
  • Privacidade (LGPD); 
  • Código de Conduta; 
  • Código de Ética; 
  • Integridade; 
  • Treinamentos; 
  • Reportar os erros. 

Vantagens de aplicar compliance na sua empresa

Agora que você já sabe o que significa o conceito e a importância dele, é hora de compreender algumas vantagens que o conceito bem aplicado proporciona à empresa. Entre tantos benefícios, é possível listar os principais, que são: 

Vantagem competitiva

Conforme a tendência organizacional mundial, as empresas que já aderiram à compliance saem na frente daquelas que ainda refletem se é ou não benéfico estar em conformidade. 

Previsibilidade 

Por meio da cultura de boas práticas, os profissionais têm maior facilidade de identificar erros e prevenir problemas. 

Eficiência e produtividade 

Com a finalidade de estar em conformidade e incentivar a ética organizacional, os colaboradores acabam sendo influenciados a agirem de forma integra. 

Sendo assim, amplia a segurança. Conforme pesquisas, trabalhadores satisfeitos e confiantes demonstram melhor comprometimento e produtividade. 

Credibilidade no mercado 

Empresas sérias e promissoras buscam se aliar a organizações igualmente corretas. Então, perante ao mercado ter uma conduta de compliance é altamente relevante. 

Consolidação no mercado exterior 

Investir em compliance é uma estratégia bastante positiva para oportunidades no ambiente externo, pois é uma prática com ritmo mundial.  

A conformidade foi difundida a partir do exemplo dos EUA que adotaram regras ainda mais incisivas em relação ao combate à corrupção, especialmente com a Foreign Corrupt Practices Act (FCPA) que ficou famosa por perseguir o suborno em entidades públicas. 

Ser sustentável 

A sustentabilidade já se tornou uma realidade para instituições exponenciais, pois já aplicam a compliance há anos, portanto, ser sustentável é mais uma vantagem para quem está em conformidade. 

# Você Sabia?: Em 2013, foi criada a normal de número 12.846 no Brasil, conhecida como a “Lei Anticorrupção”, a qual alertou a sociedade e também as empresas a respeito da conformidade, principalmente a fiscal. Com isso, cresceu a busca por serviços de compliance no país.

Como aplicar na prática? 

A princípio, é importante implantar na cultura da empresa o conceito de compliance e treinar a equipe, para que todos estejam em consonância. A partir desse ponto, busca-se utilizar a tecnologia a favor da gestão. 

Através de um sistema que mantém os processos organizacionais em conformidade, é possível dinamizar as inúmeras áreas da empresa, especialmente o setor de Compliance Fiscal.  

Além disso, as empresas podem desenvolver programas de compliance, a fim de ampliar sua atuação, unido ao sistema. Confira algumas sugestões! 

Implemente uma avaliação de riscos 

Essa é uma ação para mapear os processos e interações junto ao setor público. Além disso, consegue avaliar e mensurar a exposição ao risco. 

Desenvolva políticas para promover a ética 

Em síntese, esta etapa é bastante importante porque é o momento de definir regras e responsabilidades para a construção de uma cultura de integridade. 

Crie atividades de controle 

Com a finalidade de desenvolver mecanismos para prevenir práticas corrupta, os gestores desenvolvem atividades, como: manuais, procedimentos e auditoria para preservar a empresa. 

Estruture canais e processos 

A fim de garantir que as políticas sejam garantidas, os gestores precisam desenvolver canais de denúncias e processos de investigação internos.  

Além disso, esses líderes vão estruturar planos de comunicação e treinamentos para as equipes. E, vale lembrar que essas ações são definidas para evitar improvisos. 

Realize o monitoramento 

Nesta última etapa, os líderes vão se empenhar a estabelecer o monitoramento. Contudo, é importante verificar se a organização está totalmente em conformidade e seguindo os métodos anteriores. 

Então, executa-se auditoria interna e monitora se os colaboradores, processos e gestores estão em conformidade. Assim, é possível criar os planos e ações corretivas.

Leia também: LGPD: saiba os riscos e multas

Lorem Ipsum

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry’s.

Artigos relacionados

Quais as prioridades de tecnologia para 2022, segundos CIOs?
Como um CHRO pode se tornar mais estratégico em 2022?
Gestão Ágil veio para ficar ou é uma tendência passageira?