Como ter um bom planejamento orçamentário em tempos de inflação

Como ter um bom planejamento orçamentário em tempos de inflação

Compartilhe:

Desenvolver um planejamento orçamentário é fundamental para o bem dos negócios. Essa é uma tarefa que todo executivo exige de sua equipe. Contudo, realizar essa atividade em meio a momentos de inflação é um desafio.  

Até o momento dessa publicação, a previsão do mercado financeiro para este ano é uma projeção da inflação de 8.69, com uma piora do PIB. Esse número está acima da meta que deve ser perseguida pelo Banco Central (BC).  

Lorem Ipsum

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry’s.

Tais previsões e elevações da inflação, que ocorrem ao longo do ano, fazem com que executivos e profissionais tenham certa insegurança ao criar o planejamento orçamentário.  

Portanto, neste artigo, vamos abordar como você pode planejar o orçamento da sua empresa em meio a tempos voláteis com a inflação. Afinal, as coisas podem mudar a qualquer momento, e é necessário criar uma base sólida para resistir às movimentações no mercado. Acompanhe!  

O que é planejamento orçamentário?

Primeiramente, é fundamental que você entenda o que é o planejamento orçamentário. Então, essa é uma tarefa que basicamente organiza as despesas, custos, receitas e investimentos que a empresa fará, geralmente, no período de um ano.  

Desse modo, os profissionais contábeis e administrativos das empresas se reúnem para planejar as entradas dos valores e como serão gastas. Obviamente, esse plano ocorre a partir de estratégias e objetivos elencados pelos executivos e equipe.  

Por que devo realizar o planejamento orçamentário? 

Sabendo da funcionalidade do planejamento orçamentário, o motivo de fazê-lo é óbvio. Além de proporcionar previsão de gastos ao longo do ano, os executivos também recebem vantagens, como:  

  • Acompanhar centro de custo;  
  • Analisar unidade de negócios;  
  • Avaliar se os gastos então dentro da previsão;  
  • Recalcular estratégias com segurança;  
  • Prever impactos inesperados no fluxo de caixa;  
  • Ajustar o planejamento ao longo do período.  

Analisando por essa ótica, enxerga-se como o planejamento orçamentário é importante para a empresa inteira. Além disso, os executivos e profissionais se preparam para diferentes situações e minimizam os riscos e surpresas negativas nas finanças.  

A gestão assertiva também é um foco secundário no planejamento orçamentário, já que essa tarefa impacta na cultura organizacional e maneira como os colaboradores são liderados.  

Agora, quando trazemos o planejamento orçamentário para 2021, ele promove benefícios ainda mais completos, pois a inflação tem levado insegurança aos negócios.   

Assim, essa estratégia proporciona maior controle sobre as contas, previsão de quedas no mercado e uma melhora na segurança em relação à tomada de decisão.  

Por que dessa instabilidade na inflação? 

Conforme matéria publicada no Uol, sobre como evitar riscos em momento de inflação, essa instabilidade e subida na inflamação ocorre por dois motivos:  

Dólar alto  

Segundo especialistas em economia, a inflação começou a ser criada pelo dólar, mas por quê? A moeda americana passou a ser mais valorizada no Brasil, ou seja, ficou mais cara perante o Real. Assim, os produtos importados ou matéria-prima estrangeira passaram a ficar mais caros.  

Gargalos na indústria  

Acompanhando essa dificuldade na importação de matéria-prima estrangeira por conta do dólar, a indústria sente o efeito negativo em seu planejamento, sendo aumentado pela instabilidade da pandemia.  

Além disso, a retomada do consumo de maneira mais veloz que a capacidade de repor estoque também acaba impactando em gargalos na indústria.  

Entenda a estrutura do planejamento 

Antes de tudo, mesmo com a inflação controlada, é necessário criar uma estrutura de planejamento orçamentário, que consistente em uma série de etapas de permitem um plano de orçamento assertivo e eficiente. E essa estrutura envolve:  

Estabelecer níveis do planejamento  

Estabelece-se, então, três níveis. No primeiro, você avalia a empresa como um todo a longo prazo: despesas, receitas, demonstração de resultado e projeções.  

No segundo nível, que chamamos de tático, o profissional vai analisar cada setor da empresa individualmente: custos, investimentos, objetivos e prazo.  

Por último, no terceiro nível operacional, analisa-se o prazo imediato, ou seja, o que você pode fazer a partir de agora para controlar o seu orçamento. Isso inclui observar planejamentos anteriores. Portanto, nesta fase, o profissional vai avaliar a rotina diária da empresa.  

Definir orçamento por setor  

Sempre tenha em mente que cada setor deverá ser avaliado de uma maneira diferente. Dessa maneira, não haverá erros.  

E, para haver o planejamento bem feito, é necessário envolver o setor contábil e financeiro, para avaliar as demais áreas da empresa. Os gerentes desses setores vão trazer informações fundamentais para a tomada de decisão.  

Separe receitas e despesas  

Por fim, mas igualmente importante, haverá a separação das receitas e despesas com muita clareza em cada etapa do processo. Isso porque o propósito é saber o quanto você tem disponível, pretende ter e gastar/investir.  

A partir disso, os executivos terão uma previsão de receita e despesas da empresa inteira, de maneira objetiva e bem estabelecida. Assim, você diminui riscos e surpresas.  

Tipos de planejamento orçamentário

Estático: neste, o orçamento finalizado não muda ao longo do ano, independentemente dos resultados. É mais fácil de acompanhar e incentiva o monitoramento. Contudo, pode engessar as ações.   

Flexível: aqui, já uma margem para ajustes. Ele acompanha variações e tem foco no objetivo proposto inicialmente. Entretanto, demanda mais esforço da equipe e necessita de análise de indicadores.   

Contínuo: conhecido como rolling forecast, esse orçamento pode ser revisado com frequência mensal. Assim, seu budget é atualizado constantemente e auxilia na entrega mais ágil das revisões porque é realizado repetidamente. Mas, ele exige mais tempo e esforço.   

Ajustado: nele, é comum os ajustes de tempos em tempos. A vantagem é que possibilita que o orçamento seja adequado à realidade. A desvantagem é o tempo atribuído nessa tarefa.   

Matricial: também entendido como Gestão Matricial de Despesas, esse tipo você realiza numa matriz, cruzando dados de despesas, receitas e investimentos com a utilização pelo centro de custo e unidade. Ele recebe colaboração dos gestores que auxiliam no desenvolvimento dos objetivos.   

Base zero: este orçamento requer análise e planejamento de tudo anualmente individual, sem referências anteriores, ou seja, do zero. Assim, leva mais esforço, tempo e envolvimento dos gestores. Ele preserva só o essencial ao objetivo estabelecido, porém exige maior treinamento e elaboração.  

Como realizar um bom planejamento orçamentário em meio à inflação?

Agora, que você já sabe a base do planejamento orçamentário comum, veja algumas ideias para elevar isso ao nível atual, com a alta da inflação. Acompanhe!  

Crie uma cultura organizacional 

A cultura organizacional é importantíssima para conduzir planejamentos e projetos em meio à inflação. Isso porque os processos internos, bem estruturados, guia a empresa e os representantes dela a seguirem boas práticas.   

Assim, ao desenvolver o planejamento orçamentário nesse momento, com uma cultura bem estruturada, o processo é menos preocupante, burocrático e com maior controle dos recursos.  

Além disso, cada colaborador vai entender com clareza a importância do orçamento em momentos de crise. Desse modo, diminui-se os riscos de erros, colapsos e descompasso entre o orçamento previsto e o efetivo.  

Estimule a prevenção 

Mesmo em momentos mais estáveis, a prevenção precisa ser pautada dentro das empresas, principalmente agora com a inflação elevada. Assim, o planejamento orçamentário é realizado com intuito de resguardar os negócios e bem-estar financeiro.  

Mas, o que seria a prevenção? Pois bem, o capital de giro é agente principal, para que não ocorram despesas inesperadas. Além disso, tem que haver uma provisão para devedores duvidosos e a criação de reservas para contingência.  

Automatize o monitoramento 

Após estruturar o planejamento orçamentário, é fundamental investir em monitoramento. Hoje, com a automação e aceleração digital, é quase que impossível acompanhar os processos sem uso da tecnologia, principalmente para obter assertividade total.  

Além disso, o monitoramento é uma fase que ocupa muito tempo e disposição dos profissionais. Contudo, a partir da automatização dessa tarefa, o controle sobre os gastos, investimentos e receita ocorre em tempo real.  

Para isso, a empresa também pode obter auxílio de sistemas de gestão empresarial, que registram as informações, integra os dados com outros setores e ainda armazenam em nuvem.   

Um ótimo exemplo disso é o ERP, que controle fluxo de caixa, estoque, realiza projeções e ainda proporciona outras funcionalidades igualmente importantes. Assim, os profissionais não lidam tanto com burocracias e conseguem ser mais estratégicos.  

Conclusão 

O planejamento orçamentário é importante em momentos normais, em tempos de crise acaba sendo um agente transformador para os negócios, que faz com que as empresas mantenham controle sobre as contas e escape de problemas com a inflação.  

Por isso, você precisa se preparar levando em consideração a inflação instável, para que não surjam interferências ao longo do processo de planejamento orçamentário. Utilize nossas sugestões e informações e obtenha êxito nessa tarefa. 

Lorem Ipsum

Lorem Ipsum is simply dummy text of the printing and typesetting industry. Lorem Ipsum has been the industry’s.

Artigos relacionados

Quais as prioridades de tecnologia para 2022, segundos CIOs?
Como um CHRO pode se tornar mais estratégico em 2022?
Gestão Ágil veio para ficar ou é uma tendência passageira?